[ Life Style ][ Toronto ]

Minha lista de gratidão sobre o que eu aprendi no Canadá

Hoje é dia de Ação de Graças no Canadá e eu gostaria de aproveitar a data para compartilhar com vocês algumas coisas nas quais eu sou grata nessa nova vida Canadense. Eu tento ao máximo praticar a gratidão na minha vida, pois acho que o sentimento de gratidão é muito poderoso e eu costumo agradecer desde as coisas mais simples, até as que ainda nem aconteceram (mas eu sei que irão)…

Para a lista de gratidão desse post, eu escolhi algumas coisas que eu sou grata em relação a cultura Canadense, por terem me ajudado a me tornar uma pessoa diferente do que eu era antes de morar aqui e com isso, compartilhar um pouco com vocês um pouco sobre o olhar do Canadense sobre a vida.

Eu sou grata por:

1. Aprender na prática como gentileza gera gentileza

Os Canadenses são conhecidos por serem muito gentis e essa é uma das coisas que me fazem amar esse país. E essa gentileza você vê em várias situações ao longo do dia, como quando as pessoas sempre seguram a porta e esperam quem está atrás passar, quando elogiam sua roupa, sapato, cabelo, etc, quando sentam no chão para conversar e tentar ajudar algum morador de rua, quando conversam com a maior paciência do mundo com quem não entende muito inglês ou quando em qualquer sinal de incomodo, pedem desculpa, seja porque esbarraram em você sem querer ou porque você pisou no pé dela, sim isso mesmo, você quem pisou no pé dela e ela também te pede desculpa. Não importa a situação e tão pouco de quem é a culpa, as pessoas só querem evitar conflitos e por isso, o que mais se ouve aqui é “Sorry” (desculpa).

     2. Ter a mente aberta para conhecer e aprender com as diferenças

Toronto é a cidade mais multicultural do mundo e as pessoas aproveitam essa oportunidade para conhecer um pouco mais sobre a cultura de países que talvez nunca irão visitar e escutam tudo com os olhos, ouvidos e mente aberta para conhecer um ponto de vista diferente sobre a mesma coisa, porém sem julgar ou querer mudar o que o outro acredita ou vive, afinal, a cultura, o sotaque, a crença e até a maioria dos hábitos que o outro tem, nada influencia em nossa vida.

Em alguns países do oriente médio, você não pode encostar nas mulheres e como aqui não sabemos de onde as pessoas vem e/ou quais costumes carregam, as pessoas evitam de se enconstar, afim de respeitar o outro e não tentar convencê-lo de mudar.

Nessa troca cultural, o importante é apenas ouvir para conhecer e caso não concorde com algo que o outro acredita, basta apenas não levar isso para a própria vida e da mesma forma não precisa tentar que o outro mude algo porque acredita-se que de outra maneira seja melhor.

     3. Buscar uma vida com equilibrio

Em Toronto eu aprendi que qualidade de vida é ter uma vida equilibrada. É estar focado no trabalho para não precisar ficar trabalhando até mais tarde e ser tão comprometido quanto coms seus horários de lazer e descanso. É entender que assim como precisamos trabalhar 5, 6 ou até 7 dias da semana, também precisamos ter lazer na mesma proporção de dias e que ter lazer não é somente viajar ou ir no parque mais famoso da cidade no domingo, lazer é ter tempo livre para você ou para quem você ama e é possível ter isso todos os dias, pois ler um livro, cozinhar com seu filho, caminhar pelo bairro tomando um café ou suco, assistir um filme em casa, fazer um pique nique na sala/sacada/quintal de casa, já são atividades de lazer que podemos ter durante a semana.

    4. Aprender que o tempo é o meu maior tesouro

A busca de uma vida equilibrada me ensinou que o tempo é o maior tesouro que temos e quando damos valor a ele muita coisa muda.
Eu sempre fui do time que dizia não ter tempo para nada, mas hoje eu sei que o que eu não tinha era prioridades. Além das horas a mais que eu ficava no trabalho (por escolha e cobrança minha), eu também investia um tempo exagerado (e desnecessário) com as tarefas de casa, além do tempo gasto no celular com redes sociais.
Hoje, sabendo o valor que o tempo tem, eu procuro cada vez mais tentar otimizar minhas atividades para ser mais ágil e com isso, ter mais tempo com o que realmente importa: estar com quem eu amo e/ou ter um tempo para mim.

    5. Aprender a dar a prioridade certa para as coisas

Eu já dei muita importância para o pó embaixo da geladeira que ninguém via (nem eu), mas que era limpo rigorosamente toda semana, para os móveis que eram lustrados com todo o vigor, mas que nem mesmo eu apreciavam o trabalho, pois já no dia seguinte, eu não andava pela casa parando para admirar cada móvel brilhoso.
Eu também já me preocupei em ter mais roupas do que eu preciso, para não precisar por exemplo, repetir uma jaqueta que eu usei no dia anterior.

A vida em Toronto me ensinou que eu posso limpar a minha casa sem ser neorótica com a limpeza e sem me desgastar tanto a ponto de depois eu não ter energia para fazer algo que realmente eu goste e assim, eu tenho aprendido que cada atividade e área da minha vida merecem seu devido tempo.

    6.Descobrir que uma vida simples tem muito valor

As pessoas aqui repetem muito mais suas roupas, eu inclusive continuo tendo apenas 1 casaco de neve, o qual eu uso durante todo o Inverno e por ter menos espaço para estocar, aprendi que é possível viver bem com 1 par de jogo de cama, 2 pares de toalha, etc.
O curioso é que mesmo havendo lojas de marcas mundialmente famosas pela cidade, aonde os Canadenses compram mais roupas é no Walmart.
A casa da maioria da população é mobiliada com móveis da loja mais popular (IKEA) e com isso, é muito fácil ir na casa de alguém e encontrar os mesmos móveis que você tem na sua casa e falando em móveis, você sempre vai encontrar alguém contando com muita alegria sobre a sorte de ter encontrado um móvel na rua e ter levado para casa.

As pessoas aqui me ensinam todos os dias que as lembranças que carregamos na vida, são dos momentos que vivemos e não das coisas que acumulamos.

    7. Ser turista na minha própria cidade

Eu morava em São Paulo, uma cidade que não dorme, que possuí uma enorme opção de entretenimento tanto de dia, quanto de noite e repleta de opções gastronomicas. Mas somente depois que me mudei para Toronto me dei conta como eu não aproveitei minha cidade Natal, pois vivia exausta para sair, achava que eventos gratuitos era sinomimo de não valer a pena, mas o principal motivo para eu não ter curtido São Paulo foi o fato de não ter o hábito de pesquisar atividades para curtir a cidade.

Em Toronto as pessoas estão sempre procurando o que tem para fazer e mesmo tendo muita coisa, eu sei que não é nem um terço do que cidades grandes como São Paulo oferecem, mas mesmo assim, só o fato de eu ter mudado a minha postura em começar a pesquisar e me organizar mensalmente para fazer as atividades de cada mês, eu percebi como eu aproveito muito as coisas por aqui e descobri como é legal ser turista na cidade em que se reside e isso me ajuda a colecionar momentos incríveis.

    8. Aprimorar ou aprender novas habilidades

Se adaptar a cultura Canadense incluí aprender a se virar, pois as pessoas aqui são muito independentes e curiosas por aprender algo novo. Eu particularmente acho isso incrível e muito enriquecedor, pois nos estimula a aprender coisas novas, ganhar diferentes habilidades e o principal é ser mais independente e não ficar esperando alguém resolver as coisas pra mim (e isso incluí pagar para alguém fazer algum serviço que eu poderia fazer)

    9. Ser mais independente do que eu achei que fosse

Eu sempre fui muito autodidata e desde criança sempre fui estimulada a me virar com o que tinha, mas depois de me mudar para o Canadá, eu percebi que me tornei ainda mais independente e criativa. Qualquer problema, dúvida ou necessidade eu não hesito em primeiro tentar resolver, criar e fazer sozinha e caso não seja possível, então procuro ajuda de um profissional.

As academias em Toronto, por exemplo, não possuem professor de Natação e as piscinas são disponibilizadas para quem sabe nadar e quer treinar. Como no Brasil, eu não cheguei a aprender todas as modalidades de nado, eu estou aprendendo sozinha assistindo videos no Youtube.
Quando estamos com vontade de comer algum prato, não pesquisamos na internet um restaurante que tenha, por que normalmente o que queremos só tem no Brasil, então hoje é automático pesquisarmos a receita e fazermos em casa.

    10. Aprender a respeitar mais o próximo

Eu sempre achei que eu fosse uma pessoa extremamente respeitosa com o próximo, mas quando passei a viver a cultura Canadense eu percebi que eu precisava melhorar em muitos quesitos. Eu sempre fui muito brincalhona e eu não só fazia piada de tudo como chorava de rir de tudo que ouvia. Hoje eu não vejo a menor graça das coisas que eu ria antes, as quais normalmente eram piadas que diminuíam, apontavam defeitos ou zombava do outro.

As pessoas aqui mantém seu olhar sempre na altura do rosto das outras e esse pequeno hábito, faz com que você pare de reparar no que o outro está vestindo, na forma fisica dele, até porque o corpo e a roupa do outro não afeta em nada na nossa vida, portanto não deveria ter a menor importância.

As pessoas aqui tem um cuidado maior antes de falar algo para alguém e talvez o pensamento delas seja: “Será que o que eu vou falar vai acrescentar algo à ele e irá deixá-lo/mantê-lo feliz?”
Eu percebo isso, nos pequenos detalhes, quando conto que fiz algo que foi empolgante para mim e talvez não seja para o outro, então ao invés de tentar me convencer que o que eu fiz não é tão legal assim e que uma outra coisa é melhor ou mais legal, elas apenas me respondem: “Que bom pra você!”.
Eu tenho a impressão que as pessoas aqui não sentem necessidade de ter razão, que elas preferem ceder, concordar com você para ser gentil do que tentar te convencer de algo apenas pelo prazer de ter razão que a dica/experiência dela é melhor que a sua.

Perguntas como: Você é casado? você tem filhos ou quando vem os filhos? Como você veio para cá (em relação ao seu visto)? Quantos anos você tem? Qual a sua religião? – São consideradas extremamente grosseiras e mal educadas, pois não sabemos o que o outro está passando, talvez a pessoa seja viuva, recém divorciada, talvez não possa ter filhos, talvez não esteja com a situação regular no país, etc. E eu acho incrível as pessoas terem esse cuidado, amorosidade e respeito com o outro.

Eu sou muito grata por tudo que o Canadá tem me ensinado e como tem me transformado como individuo e eu espero que esse post tenha transmitido um pouco sobre a cultura Canadense e quem sabe até inspirado você a abraçar alguns hábitos, como eu aderi por aqui.

 

Beijos e até o próximo post.

Loading Likes... Tags:

mundodasil

Send a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *